Total de visualizações de página

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Plantio

Prefeitura de Blumenau Rodoviária de Blumenau ganha novas árvores nativas! Na manhã de hoje, cinquenta novas mudinhas foram plantadas lá no Terminal Rodoviário. Em agosto desse ano, as plantas que ocupavam os fundos do local precisaram ser removidas porque estavam prejudicando a tubulação de esgoto. O plantio é muito importante para o bem-estar do meio ambiente e da comunidade, além de deixar a cidade mais linda e cheia de vida!

domingo, 14 de setembro de 2014

Foto de Jadir de Amorim no Face book

Em Minas Gerais.

postada no Facebook por Luiz Antonio Silvestrin Rio do Sul

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Ipê do Osmênio Pfau

Árvore de ipê amarelo plantado pelo Osmenio Pfau na residencia na Rua São José nº107 em Blumenau (foto de Rebeca Pfau - neta)

sábado, 6 de setembro de 2014

Revista ISTO É.

Substância retirada do ipê pode ajudar a tratar leucemia Pesquisadores identificaram três moléculas capazes de atuar sobre glóbulos brancos cancerígenos, sem afetar as células saudáveis Uma substância derivada de árvores do ipê pode ser o caminho para o tratamento de leucemias - diferentes tipos de câncer que afetam os glóbulos brancos, células responsáveis pelo sistema de defesa do organismo. Pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz) e da Universidade Federal Fluminense (UFF) identificaram três moléculas capazes de atuar sobre glóbulos brancos cancerígenos, sem afetar as células saudáveis. A descoberta pode levar à criação de fármacos específicos para o tratamento de diferentes tipos de leucemias. O trabalho foi publicado na revista científica European Journal of Medicinal Chemistry. Os pesquisadores criaram as moléculas da união do núcleo das células de outras duas substâncias e as testaram em quatro linhagens diferentes de leucemia, duas de linfoide aguda, mais comum em crianças e com prognóstico melhor; e duas de mieloide aguda, mais rara, mas responsável pelos casos mais graves. Dos 18 compostos criados, 3 se mostraram mais potentes e com seletividade maior - atacaram as células cancerígenas e, em menor grau, as células saudáveis. E, principalmente, tiveram comportamento diferenciado em relação às linhagens de leucemia. Uma delas se mostrou 19 vezes mais potente sobre células de leucemia linfoide do que sobre as de leucemia mieloide. "É a primeira vez que se investiga as moléculas oriundas dessa estratégia de junção de núcleos em diferentes linhagens de leucemia. E o mais importante é conhecer esse perfil de atividade de acordo com a linhagem. A leucemia é um dos tipos de câncer que mais afetam crianças e por trás da palavra leucemia se esconde uma grande diversidade de doenças. O grande problema da terapia é a falta do medicamento específico para cada tipo de leucemia", afirma o farmacêutico Floriano Paes Silva Junior, chefe do Laboratório de Bioquímica de Proteínas e Peptídeos do IOC. As moléculas foram preparadas pelo grupo coordenado pelos pesquisadores Fernando de Carvalho da Silva e Vitor Francisco Ferreira, da UFF, com base no núcleo das células de duas substâncias. Uma delas é derivada de um produto natural extraído do ipê. Esse núcleo pertence à classe química das quinonas. "O que nós queremos é matar as células malignas, mas as quinonas costumam ter baixa seletividade, ou seja, matam também as células saudáveis", disse Silva Junior. Os cientistas combinaram, então, o núcleo da quinona com o de outra molécula, chamada triazol, que tem a capacidade de atingir somente as células cancerígenas. Silva Júnior ressalta que esse é o "primeiro passo" para a criação de um fármaco. Mas testes e análises ainda devem levar pelo menos dez anos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. http://www.istoe.com.br/reportagens/381103_SUBSTANCIA+RETIRADA+DO+IPE+PODE+AJUDAR+A+TRATAR+LEUCEMIA?pathImagens=&path=&actualArea=internalPage

sábado, 30 de agosto de 2014

domingo, 27 de julho de 2014

Livro

Esta é a obra, com a qual, fui gentilmente agraciado, pela Sra Vera M Gemballa Gomez, ilustre descendente de Guilherme Gemballa (Rio do Sul SC-Farmácias Gemballa) , apoiador das obras do "Padre dos Gravatás" - Raulino Reitz e de seu co-autor o ilustre pesquisador Roberto Miguel Klein. Obra com o título de O REINO VEGETAL DE RIO DO SUL , Edição de 2013 do Herbário Barbosa Rodrigues - Itajaí /SC - Setembro de 2013. Simplesmente deslumbrante. Adilson.